bio


Marilá Dardot (Belo Horizonte, Brazil, 1973) lives and works in Mexico City. MFA at the Universidade Federal do Rio de Janeiro in 2003.
The artist makes use of diverse materials and media ranging from videos, photographs, artist books, collages, sculptures and actions to large-scale and site-specific installations. Her body of work usually takes language, books and writing as a formal and conceptual input. It translates her own references from literature and philosophy to an extended visual and sensorial territory, giving materiality to ideas and concepts, exploring other ways of perceiving and interpreting texts. Some of her projects include participating, sharing and collaboration with other artists or the public, generating structural changes in certain collective space, cultural references and an interaction experience beyond its materiality. Dardot's last solo exhibitions include: Lisbon blues (nanogaleria, Lisboa, 2018), Bienvenidos(ArredondoArozarena, Mexico City, 2017), Interdito(Galeria Filomena Soares, Lisboa, 2017), Guerra do Tempo (Chácara Lane, São Paulo, 2016) and Diário (Sesc Palladium, Belo Horizonte, 2015). Her artwork has been shown in several group exhibitions and biennials around the world, including Anozero'19 Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra (2019), XIII Bienal de La Habana (2019), 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil (2019), 27ª and 30ª Bienal de São Paulo (2006 and 2010). The artist has created outdoor projects for Montalvo Arts Center, Frieze Sculpture Park, The Wanås Foundation and Inhotim (permanent pavillion). Residencies: Montalvo Arts Center (USA, 2018), Casa Wabi (Mexico, 2015) and Krinzinger Projekte (Austria, 2014). Awards: 1o Prêmio Ibram de Arte Contemporânea (2004), 5o Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia e Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas (2004), Bolsa Pampulha (2003), Prêmio da Mostra Rio Arte Contemporânea 1 (2002). Residencies: Lucas Artists Residency residences
Program (EUA, 2018), Municipal Galleries / EGEAC, Ibero-American Capital of Culture 2017, (Portugal, 2017), Casa Wabi (Mexico, 2015) and Krizinger Projekte (Austria, 2014).
Her artwork is included in numerous private and institucional art collections including Inhotim, Coleção Gilberto Chateuabriand, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu de Arte da Pampulha and Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Brazil), The Sayago & Pardon Collection (USA), and Fundación Otazu (Spain).

Marilá Dardot (Belo Horizonte, 1973) é artista visual e Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Vive e trabalha na Cidade do México.
Trabalha com diversos meios, como vídeos, fotografias, gravuras, esculturas, pinturas, ações, instalações e site-specifics, sendo a linguagem e a literatura suas fontes de inspiração constante. Alguns de seus projetos propõem participação do público e colaborações com outros artistas.
Entre as exposições de que participou em 2019 estão XIII Bienal de La Habana, 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil e Anozero’19 Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra. Suas individuais mais recentes: Lisbon blues (nanogaleria, Lisboa, 2018), Bienvenidos(Arredondo Arrozarena, Cidade do México, 2017), Interdito (Galeria Filomena Soares, Lisboa, 2017), Guerra do Tempo (Chácara Lane, São Paulo, 2016) e Diário (Sesc Palladium, Belo Horizonte, 2015). Dardot criou projetos ao ar livre para Montalvo Arts Center (EUA), Inhotim, (Brasil) e The Wanås Foundation (Suécia). Participou de diversas exposições coletivas no Brasil (incluindo Bienal de São Paulo em 2006 e 2010), Portugal, Espanha, Holanda, Turquia, Doha, Japão, Estados Unidos, Noruega, México e outros.
Participou das residências Lucas Artists Residency Program (EUA, 2018), Galerias Municipais / EGEAC, Capital Ibero-Americana da Cultura 2017, (Portugal, 2017), Casa Wabi (Mexico, 2015) e Krinzinger Projekte (Austria, 2014). Recebeu os prêmios: 1o Prêmio Ibram de Arte Contemporânea (2004), 5o Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia e Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas (2004), Bolsa Pampulha (2003), Prêmio da Mostra Rio Arte Contemporânea 1 (2002).
A artista é representada em diversas coleções públicas e privadas, entre elas: Inhotim, Coleção Gilberto Chateuabriand, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu de Arte da Pampulha e Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Coleção Itaú Cultural, Colecção Madeira Corporate Services Drawing Collection, The Sayago & Pardon Collection e Fundación Otazu.

contact

mariladardot@mariladardot.com

bibliography 


2021


O originário na obra de arte de Marilá Dardot
, por Aline Reis (Português)︎︎︎


2020

Todo cinema é uma política, por Beatriz Furtado (Português)︎︎︎

2019

Diário: a paixão do gesto, por Amanda Moura (Português)︎︎︎

Espaços pictóricos da palavra: uma proposta de investigação filosófica, por Ana Mansur de Oliveira e Celso Pereira Guimarães (Português)︎︎︎



2018

Lisbon Blues, por Luisa Santos e Ana Fabíola Maurício (Português)︎︎︎
Lisbon Blues, by Luisa Santos and Ana Fabíola Maurício (English)︎︎︎
Saudade (our flags), by Donna Conwell (English)︎︎︎
Notes on A República by Marilá Dardot, by Jorge Vieira Rodrigues (English)︎︎︎
Outro ontem, por Cristiana Tejo (Português)︎︎︎

2017

Interdict, by Inês Grosso (English)︎︎︎
Interdito, por Inês Grosso (Português)︎︎︎
Contencio, corte e seleção, entrevista por Antonia Gaeta (Português)︎︎︎
Bienvenidos, by Tatiana Cuevas (English)︎︎︎
Review – Bienvenidos by Marilá Dardot, by Elliott Burns (English)︎︎︎
Otras lecturas de la crisis, entrevista  por Carlos Rodríguez (Español)︎︎︎

2016

War of time and other wars, by Douglas de Freitas (English)︎︎︎
Guerra do Tempo, exhibition catalogue (Português/English)︎︎︎
Exposição Guerra do Tempo, por Ottica Art (Português)︎︎︎

2015

Las malas noticias, por Maria Angélica Melendi (Español)︎︎︎
As más notícias, por Maria Angélica Melendi (Português)︎︎︎

2013

Silence full of stories, interview by Elisabeth Millqvist (English)︎︎︎2012 Marilá Dardot, profile at ArtReview by Luisa Duarte (English)︎︎︎

2011

Introduction to Marilá Dardot’s Third World, interview by Luisa Duarte (English)︎︎︎
Terceiro Mundo, por Luisa Duarte (Português)︎︎︎
Terceiro Mundo: um outro lugar”, por Paula Alzugaray (Português)︎︎︎
Estou aqui, por Luisa Duarte (Português)︎︎︎
Marilá Dardot, por Audrey Illouz (Português)︎︎︎
2011 Marilá Dardot, por Audrey Illouz (Français)︎︎︎

2009

Entrevista, para Refil (Português)︎︎︎

2008

Escrita, afetividade e colaboração, por Cristiana Tejo (Português)︎︎︎
Marilá Dardot, por Cristiana Tejo (Español)︎︎︎
Porque las palabras están en todas partes, por Gonzalo Ortega (Español)︎︎︎

Vestígios de leitura ou os arquivos insones de Marilá Dardot,
por Galciane Neves (Português)︎︎︎


2007

Uma escritora, por Fabio Morais (Português)︎︎︎
Correspondências, por Marilá Dardot e Cao Guimarães (Português)︎︎︎
Marilá Dardot & Cao Guimarães, by Marilá Dardot and Cao Guimarães (English)︎︎︎Tenderly sealed (secret), by Cristiana Tejo (English)︎︎︎
(Segredo) cerrado ternamente, por Cristiana Tejo (Português)︎︎︎

2006

Videometry, by Paula Alzugaray (English)︎︎︎
Videometry, por Paula Alzugaray (Português)︎︎︎
Marilá Dardot: Rayuela, 2005, by Ivo Mesquita (English)︎︎︎
Marilá Dardot: Rayuela, 2005, por Ivo Mesquita (Português)︎︎︎
Componho com palavras, por Fernanda Lopes (Português)︎︎︎
Marilá Dardot, interview by Cristóvão Coutinho (English)︎︎︎
Marilá Dardot, entrevista por Cristóvão Coutinho (Português)︎︎︎

Afetividade, escrita e associações compulsórias de amizade,
por Cristiana Tejo (Português)︎︎︎


2005

Marilá Dardot, by Ivo Mesquita (English)︎︎︎
Marilá Dardot, por Ivo Mesquita (Português)︎︎︎

2004

Marilá Dardot, por Rodrigo Moura (Português)︎︎︎
Um copo de mar para navegar, por Luisa Duarte (Português)︎︎︎

Solto, cruzado e junto, por Marilá Dardot, Cinthia Marcelle, Sara Ramo,
José Damasceno e Clarisse Alvarenga (Português)︎︎︎


2002

Marilá Dardot, by Adriano Pedrosa and Rodrigo Moura (English)︎︎︎
Marilá Dardot, por Adriano Pedrosa e Rodrigo Moura (Português)︎︎︎